Hoje estamos começando com uma série de depoimentos de “Como a OBMEP mudou minha vida”, depoimentos esses de pessoas que já passaram por diversas coisas na nossa querida olimpíada. Para começar, convidamos o nosso amigo Leonardo Lima Silva, ele contou um pouco de sua história na OBMEP. Esperamos que sirva de incentivo para vocês 🙂

Bom, eu sou Leonardo, moro em João Pessoa na Paraíba, tenho 13 anos e em 2017 estou cursando o nono ano (antiga oitava série) do ensino fundamental. Tive algumas passagens pela OBMEP na qual eu pude observar o futuro de uma maneira diferente e hoje eu vou contar um pouquinho para vocês sobre essa história.

Antes da OBMEP eu não tinha muita perspectiva do futuro, gostava de me esforçar em provas e trabalhos escolares para tirar notas boas mas não tinha um foco principal. Minha relação com a matemática, particularmente, era a mesma de muitos outros alunos espalhados pelo mundo, tinha algumas dificuldades com coisas básicas e reclamava sim do excesso de atividades que os professores queriam que fizéssemos.

Conheci a OBMEP em 2014 quando o professor de matemática anunciou na véspera da prova que nós faríamos ela no dia seguinte, e que estudássemos o quanto pudéssemos para nos destacarmos, mas sem dar mais dicas ou explicar o que ela significava.

A minha primeira prova da OBMEP como já citado foi em 2014, e se não me falha a memória, dentre os classificados fui a menor nota da minha escola. O professor me falou que haveria uma segunda fase na outra escola do bairro, e que eu deveria comparecer. Ainda sem entender quase nada do que aquela prova significava, cheguei em casa e comecei a pesquisar sobre o regulamento e vi alguns prêmios que os alunos que fossem bem nela receberiam, mas de início eu não me interessei e nem estudei. Na segunda fase eu tive muitas dificuldades e fui o último a sair da sala em que aplicaram a prova, conseguia “matar” o que envolvia as operações básicas com raciocínio lógico mas ficava perdido quando envolvia alguma fórmula ou coisa do tipo.

Fiquei feliz com o resultado divulgado no início de dezembro daquele ano. Minha irmã mais velha ao vasculhar o site, descobriu que eu tinha ganhado uma bolsa para fazer um curso na Universidade Federal do estado, mais precisamente o Programa de Iniciação Científica Júnior da OBMEP. Foi a partir daí que a paixão pela matemática começou a tomar conta de mim, tivemos 6 dos 11 encontros mensais prometidos, por falta de verbas para todo tipo de benefício para alunos e professores que o governo oferecia. Mas o pouco que durou me fez enxergar a matemática diferentemente de antes, os problemas que resolvíamos e debatíamos com outros alunos também premiados instigavam em mim a vontade de não parar de estudar aquela matemática, não por obrigação ou outras coisas do tipo, mas sim por vontade de resolver o que não estava solucionado e o prazer quando se recebia a notícia do êxito na tentativa. E então, graças ao PIC Jr, eu pude aumentar ainda mais o meu raciocínio lógico, a rapidez com os problemas mais cansativos e a evolução em termos de conteúdo, o que também me ajudou na escola ou até nas próximas edições da OBMEP que participaria.

Minha irmã mais velha já citada foi responsável pela inscrição no PIC e por me auxiliar do que poderia ser feito ou não ser feito dali em diante, meus amigos, minha mãe e meus familiares no geral com o incentivo de continuar no caminho e também os profissionais da escola (diretores, professores, etc…) também foram responsáveis pela minha evolução tanto intelectual quanto social de forma geral.

A OBMEP fez uma mudança extraordinária em minha vida e melhorou em muitos conceitos, hoje, através dela eu pude ter inúmeras oportunidades e também conheci muitos alunos que se empenham como eu e isso se torna construtivo tendo em vista que todos se ajudam entre si. Também graças a OBMEP, pude conhecer novos lugares e ter novas expectativas de vida assim como posso pensar com mais facilidade sobre o que quero seguir após o ensino médio apesar de não ter definido nada ainda.

Eu queria também deixar claro que pode ser um pouco difícil a princípio, mas vocês não podem desistir de tentar pois a OBMEP mesmo sendo um dos maiores incentivos dos alunos no Brasil atualmente não quer que você seja um gênio ou coisa do tipo, muito pelo contrário. A OBMEP vai te dar vontade de tentar buscar coisas mais avançadas e que você precisará futuramente, mas ela em si quer somente que você saiba o básico e saiba se expressar e explicar tudo o que usou para tal solução. De toda maneira, a OBMEP é totalmente gratuita e estimula o aluno a tentar mais e mais mesmo que pareça impossível, e já sabemos que o impossível é só questão de opinião, então não custa nada tentar todo ano seja após uma vitória ou até mesmo uma derrota pois todo dia é um novo dia e VOCÊ pode fazer a diferença. Vou ficando por aqui e queria também relembrar que a primeira fase da décima terceira edição da OBMEP está chegando, portanto, se esforcem e não deixem de estudar, boa sorte a todos e um abração. ?

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Categorias: ENTREVISTAS

Loading Facebook Comments ...

Posts Relacionados

ENTREVISTAS

COMO A OBMEP MUDOU MINHA VIDA #3 – Igor Patrício Michels

Hoje, a pessoa que convidamos para o depoimento/entrevista foi o grande Igor Patrício. Se você ainda não conferiu os anteriores, confira a parte 1 com o Leonardo Lima e a parte 2 com o Arthur Leia mais…

ENTREVISTAS

COMO A OBMEP MUDOU MINHA VIDA #2 – Arthur Mota

O nosso convidado de hoje para a segunda parte da nossa série de depoimentos de “Como a OBMEP mudou minha vida” é o Arthur Mota! Se você ainda não viu a primeira parte, veja a Leia mais…